Ranchinho

Sebastião Theodoro Paulino da Silva, mais conhecido como Ranchinho, é um dos mais importantes e celebrados pintores populares que o Brasil já teve. Ele nasceu no dia 7 de janeiro de 1923 no município de Óscar Bressane, SP. Ranchinho era filho de bóias-frias e mudou-se com a família para Assis após a morte do pai em 1925. Deficiente mental desde a infância, não falava nem ouvia direito, engatinhou até os quatro anos de idade e, quando começou a andar, o fez de maneira desajeitada. Foi expulso da escola, já que não conseguiu acompanhar as aulas e só aos 24 anos conseguiu o primeiro trabalho, como auxiliar de João Romero (ou João Garapeiro). Com a morte do irmão mais velho e da mãe, em 1948, o Ranchinho se vê inteiramente só. Seu João Garapeiro leva-o para morar com a família e lhe confia novas funções. Até 1954 Ranchinho viveu assim. Os filhos de João Garapeiro o abasteciam de cadernos velhos e tocos de lápis e desde essa época ele não parou mais de desenhar. Desenhava as coisas que via e 'contava histórias' através dos seus desenhos. Com a morte do seu patrão e protetor, passa a sobreviver como catador de papéis, latas e garrafas, e mora em ranchos abandonados, o que lhe vale o apelido de Ranchinho. Completamente marginalizado e hostilizado pela sociedade local, é incentivado pelo escritor José Nazareno Mimessi a aprender técnicas de guache e de acrílica sobre eucatex.

Ranchinho. Agosto de 1989

Marcado por hábitos, como freqüentar a missa duas vezes por dia, além de acompanhar velórios e casamentos, Ranchinho ganhou a fama de artista exótico, repleto de manias, que decorriam, provavelmente, do fato de essas ocasiões solenes serem as únicas em que o artista podia estar presente sem ser expulso ou humilhado, marginalizado que foi na cidade por fugir aos padrões de normalidade comumente aceitos, tanto em termos de aparência como de atitudes. Em missas, enterros e casamentos, Ranchinho teve a sua única oportunidade de se inserir numa sociedade que tendia a excluí-lo.

Ranchinhocatedral, pintura. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinhomaria-fumaça, guache s/ papel. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinhotítulo desconhecido, óleo s/ tela. Reprodução fotográfica Galeria Estação, São Paulo, SP.

Sua pintura possui uma variedade de cores e intensidade criativa semelhantes ao do pintor holandês Vicent Van Gogh. A comparação não foi feita por nenhum entusiasta da arte naif. A interpretação de que Ranchinho se equipara ao gênio holandês, em talento e qualidade, é de Oscar D’Ambrosio, crítico da Associação Internacional de Críticos de Artes. O que mais impressiona na obra de Ranchinho é que ele retrata uma Assis que não existia na época que ele passou a desenvolver suas telas. A catedral que ele imprime nas telas não é a de hoje, que qualquer pessoa que visita a cidade observará. É a anterior, nas décadas de 1950 e 1960, conta D’Ambrosio. A comparação de Ranchinho e Van Gogh está na obra escrita por D’Ambrosio, ‘O Van Gogh Feliz – Vida e Obra do pintor Ranchinho de Assis’, publicado pela editora Unesp.

Ranchinhocasinha no campo, óleo s/ tela s/ duratex, Acervo da Pinacoteca de São Bernardo do Campo, SP.

A obra de Ranchinho tem a capacidade de organizar uma visão totalizante, numa fluência que é difícil de encontrar em pintores e em artistas em geral. Sua pintura não se parece em nada com a pintura naif tradicionalmente conhecida. Muitas vezes se pensa na pintura popular como algo espontâneo, mas na verdade o que se vê são pinturas muito esquemáticas e Ranchinho escapa completamente disso. Ele tem um universo e um jeito de pintar completamente sui generis e peculiar.

Ranchinhoplantio, óleo s/ tela. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinho fez mais de 2.000 obras entre guaches, desenhos, acrílicos e óleos. Ele expôs pela primeira vez três de seus trabalhos na 1ª exposição de Artes Plásticas de Assis em 1971, quando recebeu Menção Honrosa. Participou de outras exposições individuais e coletivas de grande importância, como Bienal de São Paulo de 1976. Nesse mesmo ano foi tema de uma crônica de Lourenço Diaféria editada no caderno Ilustrada do Jornal Folha de São Paulo. Em 1977 foi objeto de análise de Américo Pellegrini filho em seu livro Crônica Informativa de Cinco Pintores Folclóricos. Também foi apreciado por uma das maiores crítica de arte do país, Radha Abramo, numa matéria editada no caderno ilustrada do Jornal Folha São Paulo em julho de 1985. Participou também da exposição Brasil 500 Anos na Bienal de São Paulo. Seu trabalho foi tema de uma matéria escrita por Rui Moreira Leite para a revista Veja de 30 de julho de 1986. Desde então, participou de mais ou menos 20 exposições. Ele faleceu no dia 2 de fevereiro de 2003 na cidade onde viveu a maior parte de sua vida, Assis, interior de São Paulo.

Ranchinhocapela de Santo Antonio, pintura. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinho, título desconhecido, pintura. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinho, caminhão do leite, óleo s/ cartão. Reprodução fotográfica Galeria Estação, São Paulo, SP. Foto: João Liberato©

Ranchinho, seminário São José, óleo s/ tela. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

Ranchinho, calhambeque no picadeiro, óleo s/ cartão. Reprodução fotográfica Galeria Estação, São Paulo, SP.

Ranchinho, antigo fórum de Assis, guache s/ duratex. Acervo da Pinacoteca de São Bernardo do Campo, SP.


Ranchinho, figura na rede, óleo s/ tela. Acervo da Galeria Estação, São Paulo, SP.


Ranchinho, porteira, óleo s/ cartão. Reprodução fotográfica autoria desconhecida.

3 comentários:

  1. Meu tio tem uma tela de 2002, foi uma surpresa para mim ao me deparar com a obra... Magnífica, trata-se de um Papai Noel em uma loja de brinquedos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Herbert, tudo bem? Poxa, parece muito interessante. Gostaria de vê-la. Você pode me escrever em renan.quevedo@hotmail.com ? Obrigado.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir