Naninho

Naninho foi registrado com o nome de Martiniano Moreira de Carvalho, mas na comunidade de Bichinho, onde ele nasceu em 1962 e onde vive até hoje, todo mundo só o conhece pelo seu apelido. Bichinho (Vitoriano Veloso) é um povoado de aproximadamente 1000 habitantes, pertencente ao município mineiro de Prados e que fica há apenas 7 Km da famosa cidade de Tiradentes.

 Naninho em seu ateliê, Bichinho-MG. Foto Ernesto de Souza, reproduçao fotográfica Revista Globo Rural.

 Naninho em seu ateliê, Bichinho-MG. Reproduçao fotográfica Revista Viaje Mais.

Quando era criança Naninho fazia seus próprios brinquedos amassando barro no quintal de sua casa. Bois, cavalos, porcos e galinhas de barro, eram seus brinquedos no tempo de criança.

O leitor pode perceber que a maioria dos artistas citados nesse blog, quando eram crianças tinham esse mesmo costume, o de brincar com o barro. Isso até então não revelava nada dos artistas que eles viriam a se tornar, era apenas uma brincadeira de criança pobre, mas que certamente eram os primeiros indícios da arte, começando a se expressar entre seus dedos.

Com Naninho foi assim, a brincadeira de criança estava longe de revelar o grande artista que ele viria a se tornar. Mas o caminho não foi simples, nem fácil. Aos 13 anos Naninho já fazia algumas pecinhas de madeira, mas teve que abandonar essa pratica porque, segundo ele, não tinham nenhum valor na região onde morava. Já adulto, começou a trabalhar como pedreiro na vizinha cidade de Tiradentes. Com o desemprego crescente, voltou para Bichinho.

Foi aí então que tudo começou. Era quase Semana Santa e a comunidade de Bichinho estava ameaçada de não poder realizar a procissão do senhor morto, porque uma igreja de Tiradentes não podia emprestar uma de suas imagens, como fazia todos os anos. Foi aí que Naninho arriscou o que nunca havia antes tentado: esculpir na madeira um Cristo para a procissão da Semana Santa. Ele conseguiu; de uma tora de madeira fez surgir um Cristo vergado pelo sofrimento. Segundo ele, tudo aconteceu sem nenhuma orientação... “fui fazendo e pronto”, diz. Segundo a família, “um milagre!”. Desde então, Naninho nunca mais parou.

 Naninho em seu ateliê. FOTO: Francisco Ribeiro do Vale.

Naninho diz que aprendeu com o barro e com o Toti (Antonio Carlos Bech), artista plástico paulista que “desembarcou” em Bichinho em 1991 e fundou a Oficina de Agosto, um projeto que tinha como objetivo garantir a sustentabilidade ambiental e da comunidade, através da valorização da criatividade artística individual e do trabalho coletivo. Atualmente, são 25 oficinas espalhadas pelas ruas do povoado repletas de turistas.

Naninho esculpe diversas peças na madeira: vai desde santos católicos a personagens mineiros. Seu estilo lembra muito o incomparável Aleijadinho, mestre do barroco mineiro. Mas sua peça mais emblemática é o Divino Esplendor (uma pomba esculpida em madeira, rodeada de raios, representando o Divino Espírito Santo), que foi criada por ele há mais de uma década. Antes os Divinos só eram encontrados nas igrejas de Minas Gerais... “hoje todo mundo faz, mas se olhar bem vai notar as diferenças”, diz.

 
 Naninho, Divino Esplendor. Madeira. Coleçao pessoal.

Naninho, detalhe Divino Esplendor. Madeira. Coleçao pessoal. 

Naninho, Agnus Dei. Escultura com tricotomia. Foto: Bianca Aun. Reproduçao fotográfica Catálogo 40 anos do Centro de Artesanato Mineiro, Belo Horizonte: SEBRAE-MG, 2010.

Hoje, aos 48 anos, Naninho emprega toda a família em seu ateliê. Seu genro Amilton Trindade Narciso foi o que alcançou maior destaque e hoje tem sido considerado por muitos como seu sucessor natural.

Contato com Naninho:
Av. Samuel Possa, 263 – Bichinho
36320-000, Prados-MG
Tel: (32) 3353-7013


Fonte Bibliográfica:
- Lima, Beth & Lima, Valfrido. Em Nome do Autor. Proposta Edital, São Paulo-SP, 2008.

Naninho, Sao Francisco. Madeira. Coleçao pessoal.
 
 Naninho, detalhe Sao Francisco. Madeira. Coleçao pessoal.

Esculturas de Naninho em seu atelier, Bichinho, MG 

 Naninho, título desconhecido, madeira policromada. Reproduçao fotográfica Blog Scrapgourmet.

 Naninho, Sao Francisco. Madeira policromada. Foto: Bianca Aun. Reproduçao fotográfica Catálogo 40 anos do Centro de Artesanato Mineiro, Belo Horizonte: SEBRAE-MG, 2010.

 Naninho, Sao Francisco. Madeira policromada. Foto: arquivo pessoal da família.
 
 Naninho, Sao Francisco. Madeira policromada. Foto: arquivo pessoal da familia.
 
 Naninho, Sao Francisco de Roca. Madeira policromada. Foto: Bianca Aun. Reproduçao fotográfica Catálogo 40 anos do Centro de Artesanato Mineiro, Belo Horizonte: SEBRAE-MG, 2010.

 Naninho, título desconhecido, madeira. Reproduçao fotográfica desconhecida.

 Naninho, Mineirinho. Madeira policromada. Foto: Bianca Aun. Reproduçao fotográfica Catálogo 40 anos do Centro de Artesanato Mineiro, Belo Horizonte: SEBRAE-MG, 2010.

 Naninho, Africana. Madeira policromada. Foto: Bianca Aun. Reproduçao fotográfica Catálogo 40 anos do Centro de Artesanato Mineiro, Belo Horizonte: SEBRAE-MG, 2010.

Naninho, homem a cavalo, madeira policromada. Reproduçao fotográfica Blog Scrapgourmet.

Naninho em seu casa/ateliê, Bichinho-MG. Reproduçao fotográfica blog Vertente Gerais.

Naninho trabalhando em seu atelier, Bichino, MG.

Naninho, Cristo, madeira policromada. Foto autoria desconhecida

Obra de Naninho em seu atelier, Bichinho, MG.

4 comentários:

  1. Muitos parabéns pelo seu trabalho, é maravilhoso!!!
    Gostaria de saber onde adquirir Sao Francisco de Roca? Sou louca por santos de roca e o seu é muito bonito...
    Sou de Portugal.
    Cumprimentos,

    Isabel

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho a grande felicidade de ser casado com a prima desse grande artista Naninho. O engraçado é que ele nasceu no Bichinho em um lugar que eles chamavam de buracada, ele seu pai, e seus irmãos plantavam roça para o sustento da família, ele Naninho, depois trabalhou de pedreiro entre outras profissões. è muito satisfatório ver como, quando a pessoa é boa Deus sempre ilumina os caminhos e a pessoa segue o destino que Deus lhe deu. Parabens meu primo, que os anjos do céu estejam sempre em seu caminho. Reinaldo e Maria Trindade. São Gonçalo, Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu trabalho.
    Que dom maravilhoso você tem.
    Quem sabe algum dia apareço por aí...
    Um abraço,
    Ana Flávia Navarro. Salvador, BA.

    ResponderExcluir
  4. gostaria do contato do atelie, estamos procurando bonecas de tamanho natural e vejo que ele as tem

    ResponderExcluir