Manuel Eudócio

Este blog faz hoje uma homenagem a um dos mais importantes mestres da arte figurativa popular brasileira, Manuel Eudócio Rodrigues, mestre Eudócio, amigo e seguidor do mestre Vitalino.

 Manuel Eudócio, reprodução fotográfica Argos Fotos.

Manuel Eudócio Rodrigues, o mestre Eudócio, nasceu na comunidade do Alto do Moura, bairro da cidade de Caruaru-PE, no dia 28 de janeiro de 1931, membro de uma família de ceramistas que trabalhava na produção de peças  utilitárias, como panelas, jarros, potes, etc. Foi assim, no seio de sua família, seu primeiro contato com o barro, que naquela época era usado por ele para fazer seus próprios brinquedos, um costume muito comum entre as crianças do interior.

Foi em 1948 que Manuel Eudócio conheceu o mestre Vitalino, quando este se mudou de Sítio Campos para o Alto do Moura. Manuel Eudócio tornou-se então discípulo do mestre Vitalino e juntamente com seu cunhando Zé Caboclo começou a produzir esculturas em barro natural. Sempre fez todo tipo de peça: Lampião, Maria Bonita, cangaceiros, médico operando doente, casamento na roça, dentista extraindo dente etc., mas nunca escondeu sua preferência pelo boi, uma das primeiras peças feitas pelo mestre; o boi  se tornou ao longo dos anos um ícone da sua obra. Além dessas peças individuais, Manuel Eudócio naquela época já reproduzia no barro os folguedos populares da regiao, como o maracatu e o bumba-meu-boi, que o mestre também denomina reisado ou cavalo-marinho.


O bumba-meu-boi do mestre Eudócio, composto por 28 peças, é um conjunto de impressionante impacto visual, com figuras muito elaboradas que revelam o gestual de cada brincante. É um conjunto que referencia o reisado que o próprio mestre participava como brincante; figurou como Segundo Galante e seu irmao como Jaraguá. “ (...) Naquela época, o reisado começava de noite e ia até o amanhecer. A gente só parava para tomar café ou vinho na casa de alguém. Hoje, não sei de mais nenhum reisado aqui em Caruaru (...) Era uma brincadeira sem a gente ter interesse. Só porque a gente gostava de brincar"  revela o mestre. 

Manuel Eudócio com Zé Caboclo e mestre Vitalino, arquivo Museu do Folclore do Rio de Janeiro

Até a sua morte aos 85 anos, mestre Eudócio possuía mais de 200 figuras diferentes; ele se manteve grande parte da sua vida pacientemente dedicado ao ofício de transformar o barro com a mesma simplicidade que herdou da sua família e dos ensinamentos do seu mestre Vitalino. “(...) Gosto de trabalhar, todos os dias. Se não estou pegando no barro, preciso fazer alguma coisa. Não sei ficar parado”. Manuel Eudócio é o único artista vivo remanescente da primeira geração da cerâmica figurativa do Alto do Moura, reconhecido pela Unesco como maior centro de arte figurativa das Américas.

Manuel Eudócio, Casal de noivos, cerâmica policromada. FOTO: Jacson Carvalho.

Manuel Eudócio, Casal de noivos, cerâmica policromada, reproduçao fotográfica Galeria Pontes, São Paulo, SP.

Manuel Eudócio, Boi, cerâmica policromada. Acervo do Museu Casa do Pontal, Rio de Janeiro, RJ.



Video - Entrevista Manuel Eudócio



As peças de Manuel Eudócio depois de manipuladas em barro úmido são queimadas em um forno a lenha que ele mantém no quintal de sua casa,  depois são decoradas com tinta a óleo, brilhosa ou fosca. A família o ajuda e tem na nova geração a esperança de continuidade. Dos nove filhos de Manuel Eudócio, dois deles – Carlos e José Ademildo trabalham na arte de moldar o barro.

Seu trabalho alcançou um grande reconhecimento nacional, especialmente nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia, além de Pernambuco. No exterior, conquistou clientes alemães, franceses, portugueses e norte-americanos. Foi uma peça sua, Família de retirantes, que o presidente Lula escolheu como presente para o Papa Bento XVI em uma visita sua ao Vaticano. Para o mestre Eudócio foi uma grande surpresa, já que o mesmo ficou sabendo da escolha do presidente apenas pela televisão.

 D. Mariza, o presidente Lula e o Papa Bento XVI diante da peça Familia de retirantes de Manuel Eudócio. Reproduçao fotográfica nao conhecida.

Em agosto de 2005, o artista foi homenageado com uma exposição individual – Manuel Eudócio: Patrimônio Vivo, realizada na Sala do Artista Popular do Museu do Folclore do Rio de Janeiro e neste mesmo ano foi homenageado na FEBRARTE (Feira Brasileira de Artesanato) no Recife com uma exposição intitulada – Manuel Eudócio, um cronista do seu tempo.

 Folder da exposiçao Manuel Eudócio - patrimonio vivo, Museu do Folclore do Rio de Janeiro

Em 2002 Manuel Eudócio foi um contemplado com o título de “Patrimônio Vivo de Pernambuco”, através da Lei estadual nº 12.196 de 2 de maio de 2002.

Obras do mestre Eudócio fazem parte de acervos permanentes de museus como:
1. Museu do Homem do Nordeste - Recife
2. Museu do Barro - Caruaru
3. Museu Casa do Pontal - Rio de Janeiro
4. Museu do Folclore do Rio de Janeiro
5. Museu de Arte Popular - Recife
6. Museus Castro Maya - Rio de Janeiro

Manuel Eudócio Rodrigues faleceu no dia 13 de fevereiro de 2016. deixando saudade e um grande legado, assim como outro grande mestre e seu amigo Vitalino.

 Loja de Manuel Eudócio no Alto do Moura, Caruaru-PE, arquivo Fundaçao Joaquim Nabuco - Recife, PE

Interior da loja de Manuel Eudócio no Alto do Moura, Caruaru-PE, arquivo pessoal

  Manuel Eudócio em sua loja no Alto do Moura, Caruaru-PE. Em cima da mesa: algumas peças do conjunto do bumba-meu-boi. Arquivo pessoal.

 Manuel Eudócio, Carrossel, cerâmica policromada, reproduçao fotográfica Galeria Pontes, São Paulo, SP.



Fonte de pesquisa:

BARBOSA, Virgínia. Manuel Eudócio.Pesquisa Escolar On-Line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br>. Acesso em: 22/11/2010

Revista Raiz, numero 04 – O homem de Barro.

Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular - Ministério da Cultura


 Manuel Eudócio, Boi, cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Casamento na roça, cerâmica policromada. Reproduçao fotográfica autoria desconhecida
 
Manuel Eudócio, Carro tartaruga, cerâmica policromada, coleçao pessoal

 
Manuel Eudócio, Carro tartaruga(detalhe), cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Lampiao e Maria Bonita, cerâmica policromada, Reprodução fotográfica autoria desconhecida

 Manuel Eudócio, Girafa (do conjunto cavalo-marinho), cerâmica policromada, reproduçao fotográfica Galeria Pontes, São Paulo, SP.

 Manuel Eudócio, Mateus e Catirina (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

 Manuel Eudócio, Casal de noivos de bicicleta, cerâmica policromada, reproduçao fotográfica Galeria Pontes, São Paulo, SP.

 Manuel Eudócio, Cavalo marinho e boi (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Tobias (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

 Manuel Eudócio, Dona Joana (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Doutor (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Jaraguá (do conjunto do bumba-meu-boi), cerâmica policromada, coleçao pessoal

Manuel Eudócio, Casamento na roça, cerâmica policromada. FOTO: Vinícios Xavier

Manuel Eudócio, "Dotor", cerâmica policromada, Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Manuel Eudócio, Pau de Arara, cerâmica policromada, reproduçao fotográfica do catalogo da exposiçao Manuel Eudócio - um cronista do seu tempo, Governo de Pernambuco, Recife-PE, 2005.

Manuel Eudócio, Maracatu, cerâmica policromada, reproduçao fotográfica Galeria Pontes, São Paulo, SP.

8 comentários:

  1. Parabéns, Manuel Eudócio, Realmente o senhor é um Gênio,também parabenizo todos os artesã do Alto do Mora.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns,lindo,lindo.Sinto orgulho de ser pernambucana e vê minha cultura ser retratada pelas mãos do mestre com tanta prefeição.
    Angela Cahú (Lalá)

    ResponderExcluir
  3. Peça à venda de Marliete:
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-239387102-escultura-fotografia-de-familia-marliete-caruaru-_JM

    ResponderExcluir
  4. Tive a oportunidade de viajar até Pernanbuco e fiz questão de conhecer o Alto do Moura. Nesse lugar encontrei personagens fantasticos, artistas da propria vida com a capacidade de mostrar a Beleza através do barro. Todos no Alto do Moura merecem aplausos. Mais além disso pude me encontrar pessoalmente com Mestre Manuel Eudócio. Sem dúvida uma das mais gratificantes experiencias de minha vida. Sentados proxímos um ao outro em seu humilde atelier, tendo me conhecido naquele dia - 15/10/12 - narrou com a paciência propria da sabedoria, algumas de suas passagens com Mestre Vitalino e seus encontros e desencontros com a arte e a arte da vida. A medida que conversavamos criava seus bonecos de barro como se Deus fosse. De modo humilde e atencioso me fez refletir sobre o que são os destinos humanos, pois com certeza eu estava diante de um dos muitos Michelangelos e DaVincis do nosso Brasil. Só posso agradecer a chance da experiencia. Obrigado Mestre Eudócio.

    ResponderExcluir
  5. Este é evidentemente um país muito rico de pessoas sensiveis e criativas..Gostei muito desta postagem.

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente hoje minhas gatas derrubaram meu casal de lampião e Maria bonita. Como faço para comprar? Claudionossa@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente hoje minhas gatas derrubaram meu casal de lampião e Maria bonita. Como faço para comprar? Claudionossa@gmail.com

    ResponderExcluir