Ciro Fernandes

Ciro Fernandes nasceu em 31 de janeiro de 1942 em Uiraúna, cidade do alto sertão da Paraíba, distante 476 km da capital, João Pessoa. Desenhista e gravador começou no mundo do desenho quando ainda era criança. Como muitos nordestinos da época, Ciro se mudou para São Paulo aos 17 anos de idade, onde foi operário e desenhista de bois nos açougues da zona leste da cidade. Mudou-se depois para o Rio de Janeiro e na feira de São Cristovão, importante reduto da cultura nordestina na capital fluminense, começou a fazer xilogravuras gratuitas para os poetas de cordel. Chegou a trabalhar com José Altino de João Pessoa, com quem aperfeiçoou sua técnica da xilogravura. Freqüentou ainda o atelier de Augusto Rodrigues, litogravura no Parque Lage com Edgar e gravura em metal com Rossine e Lena Bergstein no MAM.

Ciro Fernandes. FOTO: autoria desconhecida

A arte de Ciro Fernandes é variada, mas está pautada especialmente no mundo da literatura de cordel e, sobretudo na cultura nordestina. Além de desenhista, pintor e gravador, Ciro também é poeta. Chegou a publicar um livro para o público infantil: Os Bichos Que Sei Fazer (editora Rovelle).

Ciro Fernandes, Maria, xilogravura (1978).

Ciro FernandesSereia, xilogravura.

Ciro FernandesForró, xilogravura (1978).

Ciro foi ilustrador do Jornal do Brasil e fez modelo vivo com o pintor Bandeira de Melo. Fez pinturas, desenhos e xilogravuras, inclusive capas de livros para Orígenes Lessa, Raquel de Queiroz, Ana Maria Machado, Gilberto Freire etc.

Ciro Fernandestítulo desconhecido, gravura (1996).

Ciro FernandesBem-te-vi, xilogravura.

O artista já participou de muitas exposições como o Salão Carioca de Arte, o Salão Nacional de Artes Plásticas, além de exposições na Suíça, Alemanha e Dinamarca. Em 2013 teve sua obra exposta na Academia Brasileira de Letras no Rio de Janeiro. Seus trabalhos encontram-se no acervo da Casa da Gravura de Curitiba e Museu Nacional de Belas Artes, dentre outros.

Ciro FernandesNoivos, xilogravura (1978).

Ciro FernandesChamego, xilogravura (1978).

Ciro FernandesFim de forró, xilogravura (1978).

Ciro FernandesSão Jorge, xilogravura.

Ciro FernandesMeu Padim, xilogravura (1978).

Ciro FernandesBalão, xilogravura (1978).

Ciro FernandesPilão, xilogravura (1978).

Ciro FernandesA onça, xilogravura (1978).

11 comentários:

  1. ajudou muito no meu trabalho, obg '<3'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me ajudou muito tambm, obg : )

      Excluir
  2. ummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo blog! Gostaria de falar com vc, como faço? Estou precisando de um pesquisador!
    Abs

    ResponderExcluir
  4. Tenho uma obra de Ciro Fernandes: Tenista 75/100
    Alguém conhece o valor?
    dezorziza@terra.com.br

    ResponderExcluir
  5. Temos alguns originais de Ciro Fernandes, que também criou a logotipo de nossa bilbioteca municipal "Origenes Less" aqui em Lençóis Paulista "Cidade do Livro" www.lencoispaulista.sp.gov.br

    ResponderExcluir
  6. Que maravilha o conteúdo desse blog!! Amei! Me ajudou muito! Muito pertinente o conteúdo!

    ResponderExcluir
  7. Você saberia informar se é de Ciro Fernandes o trabalho de xilogravura do álbum Antologia Acústica de Zé Ramalho?

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, me ajudou 90% no meu seminário <3

    ResponderExcluir