Mestre Dezinho

José Alves de Oliveira, conhecido como Mestre Dezinho é considerado o precursor da arte santeira no Estado do Piauí. Ele nasceu no dia 2 de março de 1916 no município piauiense de Valença do Piauí. Ali, fez de tudo um pouco; trabalhou na roça, foi marceneiro, mas nenhum dos trabalhos prosperou como ele desejava. O trabalho com a madeira começou aos dezoito anos, mas o gosto por ela começou muito antes; ele cresceu vendo seu pai, que era carpinteiro, trabalhar com a madeira, moldando as mais diversas peças, como portas, janelas, móveis, etc. O próprio Dezinho quando criança já usava pequenas facas e canivetes para esculpir pequenas peças figurativas de madeira. Como não se contentava com a carpintaria, resolveu instalar uma padaria na cidade de Valença. Mas apesar da atividade de padeiro, não deixou de fazer seus trabalhos com madeira; produzia peças que as pessoas encomendavam para pagar promessas pela cura de doenças; eram braços, pernas, mãos, cabeças, dedos, etc. 

 Mestre Dezinho. Reproduçao fotográfica autoria desconhecida.

Em busca de educação para os filhos, mudou-se com a esposa, Francisca de Oliveira, e os seis filhos para a capital do Estado. Em Teresina trabalhou como vigia municipal e continuou a trabalhar na confecção de suas peças de madeira. Nesta época estava sendo construída a Igreja Nossa Senhora de Lourdes e o vigário, padre Francisco das Chagas Carvalho, havia encomendando ao mestre Dezinho alguns bancos para a igreja. Um dia na casa do mestre, Padre Carvalho se deparou com os ex-votos esculpidos por ele. Empolgado com o que tinha visto, encomendou-lhe um Cristo em madeira para colocar no altar-mor da nova igreja. Gostou tanto do resultado que pediu ao mestre que esculpisse varias outras imagens para a igreja. A Igreja da Vermelha, como é conhecida em Teresina, acabou se tornando um registro histórico do nascimento artístico do mestre Dezinho.

Quando terminei, o padre Carvalho convidou o arcebispo D. Avelar para ver as peças esculpidas na madeira. (...) Eu fiquei bastante nervoso tentando imaginar o que ele estaria pensando sobre aquelas ‘caras de pau’ feito santos. Fiquei aliviado quando ele me cumprimentou e parabenizou dizendo que eu era um escultor. Eu quis saber o que era escultor. Ele disse que era um artista que fazia as semelhanças de uma pessoa em madeira ou em pedra; e que se eu continuasse assim, ia ser um segundo Aleijadinho” (Dezinho, 1999, p. 66).

A repercussão do trabalho do mestre Dezinho na igreja de Nossa Senhora de Lourdes a transformou em um ponto turístico e a obra do mestre ficou conhecida em todo Brasil.

Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, Teresina-PI. Reproduçao fotográfica autoria desconhecida.

Mestre Dezinho, Cristo, madeira, Altar-mor da Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, Teresina-PI. Reproduçao fotográfica do site Teresina Panoramica.


Mestre Dezinho, Anjo guardiao, madeira, Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, Teresina-PI. Reproduçao fotográfica do site Teresina Panoramica.

Mestre Dezinho inaugurou uma arte santeira com estilo próprio. E foi com esse estilo que influenciou tantos outros artistas piauienses como Expedito, Cornélio, Edmar e José Soares, para citar alguns. Atualmente no Piauí mais de 150 artesãos vivem do ofício, os quais desenvolveram com o tempo seu estilo, isto é, sua maneira própria de expressão. As peças do mestre Dezinho são talhadas normalmente em cedro, obedecendo muitas vezes o tamanho natural. Nas roupas dos santos, referências da cultura piauiense, como cajus, folhagens e flores típicas da região.

 Mestre Dezinho, Anjo, madeira, Reproduçao fotográfica Catalogo das Artes.

 Mestre Dezinho, Sao José, madeira, Reproduçao fotográfica Evandro Carneiro Leiloes.

Mestre Dezinho, Anjo, madeira, Reproduçao fotográfica Lodello & Gobbi Leiloes.

A repercussão da obra de Mestre Dezinho foi responsável por várias mudanças em torno da arte santeira quando passou da confecção dos milagres às obras de culto. Reconhecidas por um público crítico e externo à localidade de origem, elevaram seu valor como obra de arte e como referência local e nacional. As obras do mestre Dezinho estão espalhadas pelo mundo. Fez exposições pelo Brasil e em vários países como: México, República Tcheca, Itália, Israel, França, Bélgica, Estados Unidos, dentre outros. Hoje, A maior parte da obras do mestre está nas mãos de colecionadores, mas algumas podem se admiradas em museus (no Brasil e no exterior) e em algumas igrejas, especialmente no Piauí. 

O mestre Dezinho faleceu aos 74 anos em fevereiro 2000, em Teresina-PI.

Fonte:

Catálogo da exposição “Arte em madeira do Piauí: Santos e sertões do imaginário”. Sala do Artista Popular, Museu de Folclore Edison Carneiro, Rio de Janeiro, 2010.

 Mestre Dezinho, título desconhecido, madeira, Reproduçao fotográfica Century Arte e Leilões.

 Mestre Dezinho, Cangaceiro, madeira, Reproduçao fotográfica Lordello & Gobbi Leiloes.

 Mestre Dezinho, Mulher rezando, madeira. Acervo Museu de Arte Popular do Recife. Foto: arquivo pessoal.

 Mestre Dezinho, Anjo, madeira, Reproduçao fotográfica autoria desconhecida.

 Mestre Dezinho, Cristo, madeira, Reproduçao fotográfica Lordello e Giobbi Leiloes.

 
Video - mestre Dezinho

7 comentários:

  1. Tive a honra e o prazer de conhecer pessoalmente Mestre Dezinho uma pessoa muito simples e humilde.

    ResponderExcluir
  2. Tive a honra e o prazer de conhecer pessoalmente Mestre Dezinho uma pessoa muito simples e humilde.
    Gerson PQD Magalhães. Teresina - Piauí.

    ResponderExcluir
  3. Conheci o grande escultor piauiense, brasileiro e mundial Mestre Dezinho. Era Mestre Maçom.

    ResponderExcluir
  4. Mestre Dezinho é uma referência de arte piauiense. É um divisor de águas do artesanato piauiense. A obra de mestre Dezinho sobrepõe a categoria de "artesanato" e chega à pura definição de "arte".

    ResponderExcluir